09 novembro 2010

Já virou rotina...




Quem me conhece sabe muito bem como sou. Um pouquinho desastrada, um tiquinho distraída, quase nada desligada... Acontece que certas coisas acontecem ao meu redor e eu levo a fama de ser estabanada. Quer exemplos???
Hoje a tarde foi agitada. Não era pra ter sido!
Prometia chover, então espertamente cacei minha sombrinha pela casa e guardei protegida na minha bolsa, coloquei um calçado confortável que me garantia estabilidade caso chovesse e o chão ficasse escorregadio, uma bolsa que cabia tudo e não ficava pesada... Pronto, hora de ir pra rua!

Gente, eu juro, eu não saio de casa procurando emoções e aventuras. Simplesmente preciso trabalhar e resolver minha vida. Mas parece que tem uma enorme seta vermelha apontada para minha cabeça informando: “Tropeções, empurrões, quedas e afins. AQUI!

Andava calmamente pelo centro da cidade (na verdade estava andando bem rápido), quando um louco me empurra e quase me faz cair em cima de uma senhora que estava na minha frente... Por sorte da velinha, a única que foi parar no chão foi euzinha. Levantei indignada, até porque semana passada eu também cai e estou com meu joelho direito detonado (mas, isso não vem ao caso no momento), já estava procurando o maníaco para tirar satisfação (não se enganem, sou bem brava...), quando reparo que haviam mais pessoas se ajeitando, gente falando alto, e uma correria em volta de mim.
Minha gente, o tal louco tinha assaltado uma mulher e danou a sair correndo, empurrando as pessoas e abrindo caminho... Mas, me diz: Porque logo eu, fui à sorteada a acabar parando no chão da Praça Jerônimo Monteiro em horário de alto movimento? ¬¬

Tudo bem! Recuperei-me do trauma e segui minha vida, tinha que passar nos bancos e efetuar alguns pagamentos, burocracias e todo esse divertimento que envolve a vida de um adulto responsável. O problema é que a bagunça que foi o meu dia não acabou assim, em menos de dez minutos, eu disse: DEZ MINUTOS! Aconteceu mais um evento inacreditável... Digamos, quase surreal.

Uma mulher passa rápido por mim, outra me empurra (dessa vez eu não cai! EBA.) e um homem vem correndo logo atrás. Eu tive que parar e me segurar na parede, garantindo que dessa vez eu não passaria por vergonha nenhuma... Mas meu povo, o circo já tava armado e foi bem na minha frente. Eu presenciei de camarote uma verdadeira novela mexicana!

A mulher que passou correndo primeiro por mim, era a amante. A segunda mulher que passou e me empurrou, era a chifruda. E o esbaforido filho de uma égua, era o marido infiel. Aí vocês podem imaginar o barraco que foi.
Era uma puxando o cabelo da outra, gritos e xingamentos para todos os lados, o marido safado defendendo a amante safada e mandando a pobre da esposa traída parar, tapas e chutes... Gente, eu nunca fiquei tão congelada e sem reação na minha vida! Eu simplesmente não saia do lugar, nem me movia. Foi tudo tão rápido. Eu só despertei, quando pisaram no meu pé e me dei conta de que acabaria sobrando pra mim... O que normalmente sempre acontece.

Lembrei-me do que o meu namorado sempre diz: “Tassya, se explodir uma briga perto de você, corre e se protege.” Foi o que eu tentei fazer! A todo custo tentei entrar em uma loja, mas foi impossível, os vendedores barraram as entradas (LÓGICO!), a rua já estava lotada de gente querendo assistir o show que aquele trio estava proporcionando e eu ali, pertinho, só estava querendo sair de perto com um único pensamento na cabeça: “Vai sobrar pra mim, vai sobrar pra mim...”
De repente, aparece um bando de policiais, que estavam fazendo escolta em um dos bancos e acaba com a bagunça... levando o trio em cana!

Minha Nossa Senhora do equilíbrio ausente, nunca fiquei tão passada em toda minha vida! Não sabia se ria histericamente, se respondia as perguntas da mulherada curiosa, se olhava para ver se meu pé estava inteiro depois de ser pisoteado...

Depois de hoje eu percebi que tenho que ir mais preparada para rua. Dá próxima vez eu levo uma joelheira, uma sirene de viatura policial e uma barragem articulada dentro da bolsa.


Agora, só falta chover dentro de casa!


Tassya.

Um comentário:

Lay Pires disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkk
Morrii aquii.
Engraçado que quem não te conhece não acredita,mas vc é mais que isso MUITO mais...
kkkkkkkkkkkkk

Impossivel contar os tropeções kkkkk,coisa sem explicação.
Minhaa estabanadinha prefeidaa *-_*